sábado, 8 de julho de 2017

(Continuação 30)

Avenida dos Aliados (Avenida da Cidade, Avenida das Nações Aliadas) e Câmara Municipal

Um dos primeiros projectos para a Avenida dos Aliados é do engenheiro Carlos de Pezarat de 1889, ainda sob os auspícios da monarquia.
Nele  o novo edifício da Câmara Municipal seria localizado na zona poente da avenida, juntamente com o Governo Civil e outros organismos do Estado. Ao cimo da Avenida dos Aliados ficaria a ver-se a Igreja da Trindade e haveria o projecto para a continuar até à Circunvalação.
Em 1915 o vereador Elísio de Melo apresenta um projecto de uma avenida como prolongamento da Praça da Liberdade para norte, que prevê a demolição, entre outras, do edifício de Monteiro Moreira, onde estava, à data, instalada a Câmara Municipal.
Em 1915 Barry Parker, convidado pelo Presidente da Comissão Executiva da Câmara, Eduardo dos Santos Silva, traça um outro projecto, tendo por base a maquete seguinte e que propunha uma nova localização para os Paços do Concelho, que na proposta da Câmara existente, por sugestão do arquitecto Marques da Silva sugeria uma área próxima do Carmo e da Praça Carlos Alberto, fronteira ao edifício da Universidade e para onde, anos depois, Fernando Távora propôs, em vão, a instalação de um Centro Comercial.


Maquete de Barry Parker

Sobre a proposta de Barry Parker, podemos ler o seguinte comentário no blogue “doportoenaoso.blogspot”:

“Em primeiro plano, à esquerda, a igreja da Trindade; à sua frente o edifício baixo proposto para a câmara municipal e a avenida; ao fundo, o palácio das Cardosas.
Colocando-o no topo da avenida - no exacto local onde acabaria por ser construído - o novo edifício dos Paços do Concelho de Barry Parker tentava, simultaneamente, dominar toda a composição e respeitar a igreja da Trindade. Para tal, Parker propunha um edifício baixo, de apenas dois pisos e um mezanino. A torre da Trindade surgiria por detrás, dando a ilusão de pertencer ao próprio edifício da câmara a quem subisse a avenida. Tal como em todas as edificações que projectou para o Porto, Parker usou na nova câmara uma linguagem de linhas simples, inspirada no neoclássico portuense, aliás de origem inglesa. 
A avenida é definida pelos traçados que se abrem a partir da praça da Liberdade até à praça do Município, conferindo-lhe uma forma triangular. Pretendia-se criar uma zona comercial e de passeio, pelo que o edificado que acompanhava a avenida seria composto por corpos alternadamente avançados e recuados. Em toda a extensão, uma arcada daria acesso a estabelecimentos comerciais. Na placa central, duas pérgulas, sombreadas pela vegetação, constituíam a hipótese de passeio.
Embora aprovado, o projeto de Barry Parker foi profundamente alterado aquando da construção da avenida, em particular a arquitectura das edificações. No entanto, permaneceram ideias mestras, tais como: a localização do edifício dos paços do Concelho e o traçado das ruas que o ladeiam; o eixo central unindo a estátua de D. Pedro com o centro da fachada da nova câmara; a avenida em "forma de bacalhau"; a identificação das praças da Liberdade e do Município; entre outras.
Aquilo em que o projeto de Barry Parker foi totalmente desvirtuado foi na arquitetura dos edifícios e na imagem global da avenida. O proposto por Parker para os edifícios ficava aquém das expectativas da administração e dos mais conceituados técnicos da câmara, todos de formação francesa e beaux-arts. Por isso, acabou por desaparecer a coerência do desenho de conjunto de toda a edificação, os pátios e as arcadas, alterando radicalmente a ideia de Parker e transformando o que seria um centro de comércio e de lazer, local central da animação e da vida da cidade, num mero local de passagem”.

Em 1 de Fevereiro de 1916 começaram os trabalhos de demolição do edifício da Câmara Municipal.


Demolição dos antigos Paços do Concelho

Demolição dos Paços do Concelho em 1915. À direita a capela dos Reis Magos na Rua do Laranjal


Na foto acima a antiga Câmara sita nos palacetes de Monteiro Moreira e de Morais Alão já foi demolida. Vai ser rasgada a Avenida das Nações Aliadas, mais tarde chamada Avenida dos Aliados.


Abertura em 1921 da Avenida das Nações Aliadas - Ed. (s.n.) AHMP

Na foto anterior o edifício da esquina é conhecido como “Edifício da Nacional”. Pela avenida acima seguir-se-á a construção do “Edifício do Comércio do Porto”, “Edifício Garantia” e “Edifício Capitólio” como os mais emblemáticos.

“ O modelo de Barry Parker seria então historicamente mais correcto, mas Marques da Silva tinha razão quando desdenhava da sua pouca monumentalidade, e percebe-se que tenha procurado inspiração noutras paragens, noutro tempo e noutra arquitectura, que também tinham estreita ligação ao Porto. O concurso para a nórdica câmara portuense, ganho pelo arquitecto camarário Correia da Silva, levou à construção dos actuais Paços do Concelho, iniciados em 1920 e inaugurados apenas em 1957, já com o contributo de Carlos Ramos e, com eles, o neoclássico projecto de Parker para a avenida foi sabotado. Em 1 de Fevereiro de 1916 a obra começara, precisamente com a demolição dos antigos Paços do Concelho. Em 1919, Marques da Silva faz um primeiro projecto para os dois edifícios de gaveto que marcariam o seu arranque: o da Companhia de Seguros Nacional, a ocidente, e o do Prédio Pinto Leite, hoje Banco BilbaoVizcaya, a oriente. Sobretudo o primeiro, iniciado em 1920, interessa-nos, pois o prédio é bem demonstrativo do que Marques da Silva pretendia para a novo coração cívico citadino. De facto, o torreado edifício da Nacional é assumidamente revivalista, flamengo e maneirista. Emprega abundantes elementos originários, mas nalguns casos já em processo de mutação, da tratadística quinhentista: desde a ordem jónica gigante e da serliana, até às cartelas, aos mascarões e ao trabalho de couro; desde a o verticalismo de frontões e coberturas às lucarnas e aos vãos guarnecidos com um arremedo da ordem "francesa" proposta por De l'Orme. O prédio fronteiro, igualmente torreado e originalmente designado por Prédio Pinto Leite, tem projecto de 1922, também de Marques da Silva e, apesar de ser mais bidimensional, de maior simplicidade e menor movimento, mostra uma nítida vontade de simetria com o da Nacional. Marques da Silva, citado pelo investigador António Cardoso, autor de uma obra fundamental sobre a obra do arquitecto portuense, refere, sobre o edifício da Nacional, que "os seus elementos deveriam conjugar-se com a feição arquitectónica mais preponderante no Porto. Essa feição sofre a influência da Renascença Flamenga". Assim, Marques da Silva compreendeu a importância histórica da arquitectura flamenga no Porto. A avenida ficará como um monumento a ela, mas não só: em 1919-1920, contemporaneamente portanto ao edifício da Nacional, o arquitecto Ernesto Korrodi projectara no gaveto formado entre a Praça de D. Pedro IV e a actual Almeida Garrett, mais um edifício "flamengo", para sede do Banco Nacional Ultramarino, que se articulou com a fachada dos Congregados”.
Com a devida vénia a José Ferrão Afonso, In jornal “Público”, 10/1/12001


“Com um esboceto de dois edifícios de gaveto, datado de finais de 1919, Marques da Silva acabará por determinar o arranque da Avenida dos Aliados, então ainda designada Avenida das Nações Aliadas. Eles vão fixar a imagem urbana e monumental que será tomada como modelo para as construções seguintes, bem ajustada aos procurados valores de prestígio e símbolos individualizadores deste centro representativo.
A seguradora "A Nacional", que em Abril de 1918 havia comprado o terreno do cunhal poente formado pelo alinhamento da praça da Liberdade e da nova Avenida, e que um ano depois tem já aprovado o desenho para a sua nova sede da autoria do arquitecto Oliveira Ferreira, não ficará indiferente à proposta de Marques da Silva e em Abril de 1920 acaba por solicitar à Câmara a substituição do projecto”.
Fonte: “fims.up.pt”


Local de instalação do edifício “A Nacional”- Ed. Foto Guedes

Local actual da foto anterior - Fonte: Google Maps


Avenida dos Aliados

Na foto acima vemos, à esquerda, o Banco Aliança depois Banco Totta e Açores, em edifício que se seguia ao de “A Nacional”.
O Banco Aliança já tinha estado também, no Palacete de Belmonte dos Pacheco Pereira.


Edifício Comércio do Porto de 1932 do arquitecto Rogério Azevedo

Mais acima, na esquina com a Rua Ramalho Ortigão, sobressai o “Edifício Garantia”, de 1955, da autoria de Júlio de Brito.


Edifício Garantia – Fonte Google Maps

No terreno do Edifício Garantia, esteve antes, um campo de basquetebol do F. C. do Porto. 


"Agência Abreu" (viagens) no Edifício Garantia


Entre o edifício Garantia e o edifício do Comércio do Porto, com projecto do arquitecto Michelangelo Soá, de 1925, seria inaugurado em 1930, o chamado edifício do “Café Monumental.


Edifício do “Café Monumental”


Edifício Capitólio em construção do arquitecto Carlos Neves no topo poente da Avenida dos Aliados


O Capitólio actualmente  – Fonte: Google Maps

Abaixo é visível, a nascente da avenida o “Edifício Pinto Leite”, comprado pelo Bank of London & South America ao Banco Pinto Leite, e objecto de obras de ampliação, no início da década de 30.


Vista do “Edifício Pinto Leite” e da avenida, já bem lançada

Por esse lado nascente da avenida seguiam-se o “Edifício do Café Sport”, o “Edifício do Banco Lisboa & Açores”, o “Edifício do Banco Borges & Irmão”, o “Edifício Lima Júnior” e o “Edifício do Montepio Geral”, juntando-se no quarteirão seguinte o “Edifício da Caixa Geral de Depósitos”, o Edifício do “Jornal de Notícias”, o da “Lutuosa”, o da “Casa de Saúde da Avenida” e, por fim, o “Edifício da Companhia de Fiação e Tecidos de Fafe”.

Na área contígua ao do futuro edifício "Joaquim Pinto Leite" esteve, em tempos, um prédio com 4 pisos

Na área contígua ao do futuro edifício "Joaquim Pinto Leite" o prédio de 4 pisos da gravura anterior passou a ser um outro de 5 pisos


Ao edifício com 5 pisos acabou por ficar adossado o “Edifício Pinto Leite” na fachada voltada para a Avenida dos Aliados.
O projeto inicial do “Edifício Pinto Leite” foi requerido à Câmara do Porto por Joaquim Pinto Leite, em 1922.
Em 1923 Pinto Leite completa o projeto com a parte em falta, o betão armado. Em 1924 são introduzidas pequenas alterações ao projeto inicial. A obra estava concluída em 1924.
Nos anos 30, com a compra do prédio pelo Bank of London & South America, realizam-se obras de ampliação e transformação, sem alterar a imagem inicial proposta pelo arquitecto Marques da Silva.




Pela direita corria a Rua Elias Garcia. O antigo edifício da Câmara já foi demolido

Na fotografia acima, de 1917, podem ver-se as fachadas dos edifícios (que não seriam demolidos) da antiga Rua Elias Garcia, e que viriam a ficar ocultas pelas novas construções (executadas para garantir o novo alinhamento da Avenida). A única excepção a este modo construtivo seria a do edifício do Banco Lisboa & Açores.
Um pouco acima do “Edifício Joaquim Pinto Leite” ficaria o edifício onde esteve o Café Sport, seguindo-se aquele onde esteve o Banco Lisboa & Açores.


Vista aérea – Fonte: Google maps

Na vista aérea podem observar-se os telhados dos antigos prédios, agora recuados, relativamente ao leito da Avenida dos Aliados e, que, antes tinham as fachadas voltadas para a Rua Elias Garcia.
No canto inferior esquerdo é o “Edifício Pinto Leite”.
Com o nº 1 vê-se o único edifício que não tem qualquer outro adossado nas suas traseiras, e ficou conhecido como “Edifício Lisboa & Açores”.
É possível, também observar, que o “edifício do Café Sport” com o nº 2, está ligado ao “Edifício do Banco Borges & Irmão” com o nº 3, pelas suas traseiras.


Desenho da fachada do Café Sport

Desenho de pormenor da porta de entrada do Café Sport


Na entrada com o toldo no nº 34 e 36 era o Café Sport


Desenho da fachada do Banco Lisboa & Açores


Banco Lisboa & Açores


“Com projeto inicial de 1921, ao contrário dos edifícios deste quarteirão, o edifício do Banco Lisboa e Açores não corresponde à justaposição de uma nova construção ao preexistente, mas à construção total da área de implantação, numa distribuição espacial que se organiza em células, e onde se recorre a pátios para melhoria das condições de ventilação e iluminação”.
Fonte: “nocentenariodaavenida.up.pt”


Alçado de parte da fachada voltada para a Avenida dos Aliados dos prédios (excepto o do Café Sport) integrando o quarteirão do “Edifício Joaquim Pinto Leite”


Lendo o desenho acima da direita para a esquerda, encontramos o edifício do Banco Lisboa & Açores, seguido do Banco Borges & Irmão (abaixo representado), do Edifício Lima Júnior e por último o do Montepio Geral.


Desenho da fachada do Banco Borges & Irmão


“Em 1935 no edifício que fora do Banco Borges e Irmão é instalada a sala de bilhares do Café Sport. Apesar de, na fachada voltada para a Avenida, os edifícios não serem contíguos, nas traseiras, isto é, nas fachadas voltadas para a Travessa dos Congregados os lotes tocam-se”.
Fonte: “nocentenariodaavenida.up.pt”

Sala de Bilhares anexa ao Café Sport


Desenho da fachada do Edifício Lima júnior & Cia. Lda

No gaveto o Edifício do Montepio Geral inicialmente destinado à Companhia de Alcobaça


Caixa Geral de Depósitos – Fonte: “nocentenariodaavenida.up.pt”

O projecto do edifício da Caixa Geral de Depósitos (fronteiro ao do Montepio) é de 1930, da autoria de Porfírio Pardal Monteiro (1897-1957), arquitecto chefe daquela instituição. 


Edifício do Jornal de Notícias em 1953 – Fonte: “nocentenariodaavenida.up.pt”

Para albergar a sede do Jornal de Notícias, José Marques da Silva projetou o prédio em 1925.

Edifício da Lutuosa com edifício do JN à direita da foto

Casa de Saúde da Avenida

A construção do edifício da Casa de Saúde da Avenida é de 1930, com projeto de Francisco de Oliveira Ferreira, discípulo de Marques da Silva.

Foto da colecção de César Romão, atribuída a Fernando Romão – Fonte: “nocentenariodaavenida.up.pt”

Na foto acima é possível observar que o “Edifício da Fiação e Tecidos de Fafe”, a rematar o quarteirão em que ficará inserido, ainda não tinha sido construído, o que só ocorreria no ano de 1948.

“Edifício Fiação e Tecidos de Fafe”actualmente – Fonte: Google maps

Sem comentários:

Enviar um comentário