quinta-feira, 8 de março de 2018

(Continuação 1)


Balonismo - Viagem aerostática em 1820 e lenda do Menino de Ouro


Em 25 de Junho de 1820 Eugénio Robertson, fez uma subida em balão, “uma geringonça movida a fogo” com 21 pés de diâmetro, na Quinta do Prado, pertencente ao Bispo do Porto, onde mais tarde surgiria o cemitério do Prado do Repouso. A data foi escolhida para comemorar o S. João, em honra de D. João VI.
Mr. Robertson, filho, relatava essa viagem aerostática.

“… principiou às três horas o trabalho necessário para a formação do gás hidrogénio, e às 5 horas a máquina, inteiramente cheia esperava o Aeronauta.
Tendo o Professor Robertson pai, recebido em Lisboa as mais lisonjeiras provas de geral satisfação em todas as suas experiências, que tiveram um feliz sucesso, julgou que não devia deixar Portugal sem oferecer à cidade do Porto o raro espectáculo de uma viagem aerostática. Todas as pessoas eruditas, que se achavam na mesma cidade empenhar-se-ão em favorecer uma subscrição para este objecto: anunciando-se esta experiência para o domingo 25 de Junho, e sendo destinada para celebrar-se a festa do nome de S.M. Fidelíssima Rei do Reino Unido foi desempenhada felizmente no dia referido na bela Quinta do Prado, que pertence ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Bispo do Porto.
A chuva, que desde as dez horas até ao meio dia caiu repetidas vezes, fez recear que a experiência fosse diferida; mas ao depois, serenando a atmosfera, Mr. Robertson principiou às três horas o trabalho necessário para a formação do gás hidrogénio, e às 5 horas a máquina, inteiramente cheia esperava o Aeronauta.
O Professor Robertson tinha prometido a sua sobrinha, a esposa do jovem Malabar, o prazer de a deixar elevar-se, estando a barquinha presa por uma corda; por isso antes da partida de Mr. Eugénio Robertson, ela subiu a certa altura. Esta jovem, desejando há muito tempo fazer uma viagem aerostática, tinha escondido um canivete, e uma carta no seu lenço, e intentava cortar as prisões, que a retinham: apenas o seu intento foi descoberto por Mr. Eugénio Robertson, que se assustou, e não queria ceder o seu lugar a pessoa alguma, lançou mão rapidamente da corda principal e conduziu o balão até ao recinto. Então esta Dama cheia de coragem saiu da barquinha e Mr. Eugénio Robertson, substituindo o seu lugar, sustentando-se em pé, e tendo na mão a bandeira portuguesa elevou-se majestosamente às 5 horas e meia bradando: ”Viva El-Rei; Viva D. João VI”; e, lançando várias peças de versos em honra da Nação Portuguesa, análogas a tão brilhante circunstância.
Elevando-se o balão, o quadro que se desenvolvia debaixo dos pés do aeronauta tornava-se mais interessante; pois que o Douro, correndo ao longe, já parecia esconder-se por entre as montanhas, já descobrir-se de momentos a momentos. O viajante por uma parte via o Porto como num pequeno quadro; mas sem perder a menor circunstância, por outra parte divisava ao longe verdes florestas, deliciosos jardins, e campos cercados de parreiras que atraíam e encantavam seus olhos, e qual uma serpente, que dá tortuosas voltas para entrar na sua cova, assim o Rio Ave parecia dirigir-se para o mar.
O objecto mais tocante, que o aeronauta observou nesta viagem, foi a vista de mar, que brilhava debaixo de seus pés, e lhe parecia incendiado por todos os lados, efeito da reflexão do Sol que se ocultava no horizonte, e que sem dúvida foi a causa do viajante não sentir na altura a que se remontou o frio activo, que de ordinário se experimenta.
Mr. Eugénio Robertson viu certa poeira, que se levantava da terra, e julgando serem cavaleiros, que vinham ao seu encontro, tomou o óculo para melhor observar; mas era simplesmente o declive de alguns montes de terra argilosa, feridos pelos raios do sol que já declinava.
O Aeronauta, depois de ter subido em meia hora a uma grande altura, e achando-se por cima de uma floresta, escolheu um sítio sem árvores, e apto para findar a sua viagem; ele o conseguiu descendo tranquilamente perto da freguesia de Ferreiro um lugar além do Rio Ave, distante uma légua de Vila do Conde, e 5 léguas do Porto. As primeiras pessoas que apareceram no momento em que tocou a terra o nosso viajante, foram dois caçadores, que presenciaram as duas ascensões, que fez em Lisboa; depois chegou a cavalo o Ajudante das Milícias de Vila do Conde, Lima, que tendo descoberto o aeróstato da varanda da casa do seu Tenente Coronel se dirigiu com ele para o sítio, em que lhes parecia cair o balão.
O Viajante recebeu dos mesmos Senhores todos os socorros possíveis, e os maiores testemunhos de estima; e, depois de ter pernoitado em casa do Ilustríssimo Major das Ordenanças em Bagunte, para onde o conduziu seu Filho o Ilustríssimo Tenente Coronel António Luiz, entrou no Porto no dia 26 quase ao meio dia, recebendo em todos os lugares por onde passou imensas provas de grande satisfação, e os aplausos que sempre costuma excitar em toda a parte esta rara e maravilhosa experiência.
Reinou por toda a parte a maior ordem e harmonia em tão imenso concurso, efeito das sábias ordens que foram dadas pelo Ilustríssimo Desembargador Encarregado da Polícia, e pelo Ilustríssimo e Excelentíssimo Tenente General, Governador das Armas.
– A tranquilidade, o contentamento, e a boa ordem que resplandeciam por toda a parte, e esta experiência feita em tais circunstâncias, parecia terem tornado este espectáculo uma verdadeira festa.
No mesmo dia da viagem o público à noite deu provas da afeição que tinha ao jovem aeronauta, mostrando apenas acabou o teatro a sua impaciência, e o desejo de tornar a vê-lo; porém, não lhe foi possível voltar na referida noite ao mesmo teatro, como tencionava, para cumprimentar a tão respeitável reunião, e mostrar-lhe a sua eterna gratidão.
NOTA: Mr. Eugénio Robertson pela observação do barómetro avaliou a sua altura num quarto de légua no momento da maior elevação."
In Gazeta de Lisboa n.º 161, 10/Julho/1820

As subidas aos ares continuaram durante o século XIX.
Em 1884, Emile Castenet, balonista já conhecido no Porto por anteriores ascensões, decidiu subir no seu balão “Portuense” com um burro amarrado à barquinha.


“O Portuense”

O Primeiro de Janeiro de 25 de Março trazia um testemunho desta aventura contada pelo próprio Emile Castenet:

“Aproximadamente à altura de 800 metros fendi as nuvens e por cima d'ellas me conservei, subindo à altura de 1.400 metros. Emergindo das nuvens, deparei com um espectáculo surprehendente - um sol esplêndido, brilhante, quente, irradiante, dando às nuvens a configuração de um mar de prata, accidentado de vagas. Por de cima d’esse mar a sombra do balão, contornando-se nitidamente. 
Obra ahi de 1.600 metros d'altura, mudou o balão de rumo, em direcção a Espinho. O aeróstato subia sempre, rapidamente chegando a attingir uma altura de 2.000 metros. Tentei descer por três vezes, mas inutilmente. O balão não obedecia porque o gaz que eu expellia pela válvula, era substituído pela dilatação que ficava. Subindo a uma altura de 2.000 metros, forcejei descer pela quarta vez, o que consegui abrindo de todo a válvula. A 2.000 metros d'altura tomei a direcção 0 e a 1.500 o primitivo rumo.
A 700 metros avistei terra. A descida operava-se com uma extraordinária velocidade quando me encontrei sobre um extenso pinheiral. A fim de evitar a queda na matta, descarreguei o ultimo sacco de areia e assim pude manter-me á mesma altura. Pouco depois d'alguns minutos de marcha, avistei uma ampla campina. N'estes comenos icei o burrico paro a barquinha e procurei arpoar a terra, lançando ancora mas não dava em terra firme. N'isto o balão a poucos metros d'altura do solo, esbarrou n'um pinheiral e a barquinha ficou ahi presa. O aeróstato estacou, inclinou-se sobre a franja dos pinheiros, mas súbito levantou-se, rompeu para o alto chegando a barquinha a despedaçar os ramos a que se tinha enleado. 
Por effeito do impulso violento do balão, a cesta tombou e eu encontrei-me de cabeça para baixo agarrado ás cordas. N'esta situação o burro cahiu na mesma posição que levava quando sahiu do Palácio. O balão com o impulso do vento foi bater n'outro pinheiral. A barquinha ia batendo d’árvore em árvore, e eu para evitar qualquer desastre conservava-me de cócaras, agarrado às cordas. A corda da ancora despedaçava os ramos das árvores, o gaz evadia-se e a corda a que ia ligado o burro prendeu-se a um ramo, e como as forças do balão se extinguissem, foi bastante a demora para que acudissem os lavradores, puxando a corda da ancora e conseguindo por ultimo suspender o balão. 
Desci às quatro horas e meia em Cavadas, freguezia de Pijeiros, concelho de Villa da Feira. Recebi os máximos cuidados das pessoas que me cercaram. Ahi me foi servido este petisco "um tracanaz de broa e vinho" que me soube extraordinariamente, pela muita fome que me devorava. O balão ficou um tanto estragado. Metti-me n'um carro de bois e cheguei às duas horas da manhã ao Alto da Bandeira. Querendo vir para a cidade, oppoz-se a isso um conductor de carros, dizendo que áquella hora não podia atravessar a ponte. Fiquei pois, dentro do carro, debaixo d'um alpendre, vestido apenas com a roupa com que subi. Ás cinco da manhã, encaminhei-me para a cidade, chegando aqui (ao Porto) ás 6 horas. Penaliza-me a sorte do burro”.

O sucesso, o entusiasmo e a moda da subida em balão apossou-se do Porto e alguns corajosos e extravagantes decidiram também entrar nessa “corrida”. Os lugares preferidos para as subidas eram o Palácio de Cristal, e as praças de touros da Serra do Pilar e da Rua da Alegria.

Placa comemorativa afixada numa parede dos jardins do Palácio de Cristal

Em 1903 o francês Emile Carton acedeu a levar consigo, no seu balão Mariposa, um entusiasta do balonismo, tendo-lhe dado noções de como dirigir o balão. Era o farmacêutico gaiense Belchior Fernandes da Fonseca. A “paixão” foi tal que convenceu o seu amigo a vender-lho, tendo tido a contribuição dos seus parceiros César Marques dos Santos e engº. José António de Almeida. Deram-lhe o nome de “Lusitano”.


O balão Lusitano no Palácio de Cristal junto da Concha Acústica

Com a presença de multidões subiram 3 vezes, tendo terminado o voo em diferentes lugares. O Belchior, muito senhor de si, afirmava já ter conhecimentos suficientes para mais ascensões. 
Tendo sido prevenido por Franz Burmester do perigo de ser levado, por ventos em altitude, para o mar, não levou em consideração tais avisos, afirmando mesmo “considero estes ares como meus”. Marcou uma nova ascensão para 21 de Novembro de 1903 em que embarcaram os seus sócios. Tendo subido muito correctamente, dirigiu-se para Sul. Sobre Vila Nova de Gaia, repentinamente virou a oeste, desaparecendo sobre o Atlântico. Ainda foram enviados vários barcos em seu socorro, mas nunca mais os seus corpos foram encontrados.

Os 3 tripulantes do Lusitano-Ed. Semanário ilustrado, nº 49, de 29 de Novembro de 1903


Esta tragédia foi, durante muito tempo, motivo de conversa e de notícias nos jornais do Porto. Havia quem comparasse os três desaparecidos a D. Sebastião, pois muitas vezes corria o boato que alguém os tinha visto ou sabia onde se encontravam. Os ceguinhos, à porta do mercado do Anjo, cantavam, em voz triste, as quadras do Fado do Belchior!
Entretanto, o pai de César Marques dos Santos estipularia um prémio equivalente ao peso em ouro do seu filho, a atribuir a alguém que lhe trouxesse notícias dele, advindo daí a lenda do menino de ouro, nome que seria dado também à quinta da família em V. N. de Gaia, que passou a ser conhecida por Quinta do Menino de Ouro, antes chamada Quinta da Chamorra na freguesia de Vilar do Paraíso e que, ficou também conhecida, por ter uma alta torre de estilo gótico, levantada na transição dos século XIX para XX.


“Ainda a terra gaiense estava mergulhada na maior dor, pela perda no mar de três dos seus filhos aeronautas, em 21 de Novembro de 1903, e já outro gaiense, nascido no Candal e serralheiro de profissão, se preparava para o seu “baptismo” de voo em aeróstato. Trata-se de António Bernardes, conhecido pela alcunha de “Ferramenta”, o homem que acompanhou as ascensões de Emilie Carton, no Porto e que era assíduo frequentador das tertúlias aeronáuticas na farmácia do Belchior, na Rua Direita de Vila Nova de Gaia. 
Também o “Ferramenta” aspirava construir um balão e ascender nele e nem a tragédia do desaparecimento do “Lusitano” o demoveu da sua paixão. António Bernardes construiu o seu balão que denominou de “O Português”, com uma capacidade para 1 200 metros cúbicos, que poderia elevar-se com o peso bruto de 800 Kg e marcou a sua primeira ascensão para o dia 3 de Abril de 1904 nos jardins do palácio de Cristal. No dia aprazado o balão foi conduzido ao Palácio, em dois carros de bois, com a filarmónica a abrir caminho. Quando se ensaiava a ascensão o governador civil, temendo o pior, proibiu a subida. No entanto o “Ferramenta” cortou as cordas e o balão depois de roçar nas tílias subiu mesmo, perante os aplausos do público. Andou quatro horas pelo ar e foi pousar num campo, em S. Cosme, no concelho de Gondomar. 
Em Setembro de 1904 o governador civil do Porto negou aos aeronautas “Ferramenta” e Magalhães Costa autorização para nova ascensão. 
Entretanto Ferramenta construiu um novo balão, o “Nacional”, com 22 metros de comprimento e capacidade para 800 m3 de gás o qual foi exposto na Praça de Touros da Serra do Pilar. Nele fez uma primeira ascensão em Lisboa, na Praça de Algés, com uma subida pouco feliz. Repetiu depois no Jardim Zoológico de Lisboa, perante a assistência entusiástica de milhares de pessoas e foi pousar próximo de Santo António da Charneca, depois de ter subido a grande altura e de ter pairado no ar durante bastante tempo. 
Transcrevemos a notícia dada pelo jornal “A Defesa”, do Candal, na sua edição de 5 de Abril de 1905, que seguia de perto o percurso do seu conterrâneo. 
De seguida partiu para o Brasil onde fez subidas em S. Paulo, Pernambuco, Pará e Rio de Janeiro mobilizando grande entusiasmo junto da comunidade portuguesa que o aplaudiu como um herói. 
Depois deste périplo regressou a Gaia, em 1906, cheio de dinheiro e fama. Reuniu enormes apoios para a construção de um aparelho mais sofisticado tendo partido para Paris onde desenvolveu um balão que baptizou com o nome de “Internacional”. Com ele fez uma série de ascensões, com o maior êxito, no Porto, em Lisboa e na Figueira da Foz. 
Em Julho de 1906 realizou na Praça de Toiros da Rua da Alegria, perante uma multidão de mais de 15 000 pessoas, a 24ª. ascensão.
…Em Julho de 1907 quando o “Ferramenta” juntamente com os barqueiros Alfredo “Bóia” e Augusto “Intruja” e auxiliado pelos seus amigos Alfredo Pinheiro da Rocha, Carlos Saraiva e Manuel Fonseca “Carne Seca”, procediam ao enchimento do seu “Aero-Móvel”, deu-se uma inesperada fuga de gás que provocou uma intoxicação que os deixou a todos em estado grave. Este acidente foi fatal para António Bernardes “Ferramenta” que não resistiu aos gases mortíferos e sucumbiu, depois de ter efectuado, com êxito, nada menos que 31 ascensões”. 
In blogue Memórias Gaienses 


Anúncio de espectáculo de balonismo

Sem comentários:

Enviar um comentário