sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

(Continuação 8)

Fonte da Alameda no cemitério do Prado do Repouso


Fonte da Alameda do cemitério do Prado do Repouso




“O chafariz do Terreiro da Batalha não chegou aos nossos dias por ter sido demolido em 1830, sendo substituído por outra fonte. Este chafariz aparece mencionado por Manuel Pereira de Novais como “chafariz de Cima de Villa”, pois era nesta zona que se localizava a porta de Cima da Vila. Também é referido pelo padre Simão Duarte de Oliveira, nas Memórias Paroquiais de 1758, como sendo um chafariz com a forma triangular. Recebia água do manancial do Campo Grande, e foi alvo de algumas remodelações nos finais do século XVIII e inícios do século XIX, aquando das obras realizadas para o melhoramento da Praça da Batalha.”
In Dissertação de Mestrado da UP de Diogo Emanuel Pacheco Teixeira

Fonte da Rua Chã ou Fonte de Cima de Vila


Fonte da Rua Chã ou Fonte de Cima de Vila


“com duas bicas. Uma para uso dos particulares; e, outra, para aguadeiros. Esta fonte substituiu um chafariz ou fonte que se elevava no meio do largo, da qual, o beneditini Novais esclarece: “antiga y es perfectissima, em modo de pyramide de 3 esquinas, al modo de que se lavram los diamantes”. Em 14/1/1853, começaram a apeá-la do seu lugar (cingida às casas sitas entre as Ruas do Loureiro e Cima de Vila), para a reconstruírem no antigo largo do Paço da Marqueza onde ainda pode ser admirada.” 
O Tripeiro, Série VI, Ano VIII.



O manancial da Aguardente pertenceu aos padres da Congregação do Oratório de S. Filipe Néri, que muito perto da nascente tinham a sua brévia. Com a expulsão dos frades o manancial passou para o capitalista João Baptista Alves Braga. Este manancial abastecia a Fonte Seca da Rua de Santa Catarina já desaparecida, e assim chamada, por ter estado alguns anos sem água e ainda a denominada Fonte da Rua da Alegria. Sobre esta última diz J Bahia Junior, em 1909:

“Sobre a outra fonte que este Manancial alimenta, a Fonte da Rua da Alegria, nada podemos colher mais que a informação de que o tanque existente por detraz d'esta fonte, semelhante ao que ha por detraz da Fonte de S. Domingos, já descripto na these do Dr. Adriano Fontes, foi feito como est'.outro para depositar a agua e fornecel-a para os incêndios em caso de necessidade”.

Fonte Seca ou 3ª Fonte de Santa Catarina (Desaparecida)

A Fonte Seca também era conhecida como 3ª Fonte de Santa Catarina e, estava instalada na parte de cima, da então chamada, Rua Bela da Princesa.
Bahia Junior afirma que com base no Livro 2 de documentos originais que a medição dos terrenos para a construção desta Fonte Seca, se teria realizado em 9 de Setembro de 1861, motivo pelo qual foi levado a concluir que a construção da mesma se tivesse iniciado nesse ano. 
Esta fonte teria substituído uma outra, para que se procedesse ao alargamento da via, projectando uma passagem de uma comitiva real pelo local, que não se efectivaria.
Primitivamente esta fonte era abastecida pelo Manancial da Póvoa, mas devido a grande despesa que isso trazia, ficou a ser fornecida por uma mina própria situada no Largo da Fontinha. Acabou por ser abastecida pelo Manancial da Aguardente a partir de 1868, como nos conta J Bahia Junior:

“Por occasião duma grande estiagem que houve no anno de 1868, a Camará, para supprir a grande falta d agua que por toda a parte se deu, mandou abrir vários poços em différentes pontos da Cidade e, ao mesmo tempo, quiz-se romper para a Fonte Secca, uma mina na direcção da Praça do Marquez do Pombal, por se ter como ceito que ahi se encontrasse agua em abundância. Porém, como isso acarretava grande dispêndio e era obra cuja demora era incompativel com a urgência da necessidade, abriu-se o poço da Praça do Marquez do Pombal que hoje está fechado, com intenção de o ligar mais tarde por uma mina até á fonte. Deve portanto ser posterior a 1868; a data de conclusão d'esté Manancial”.

E sobre a Fonte Seca diz-nos ainda J. Bahia Junior, In: Contribuição para a Hygiene do Porto:

“A Fonte Secca, assim chamada por ter repetidas epochas em que seccava, parece ter sido erecta pelos ânuos de 1800, conforme a sessão da Junta das Obras Publicas de 27 de novembro, (') na ultima parte da rua de Santa Catharina que teve o nome de rua Bella da Prin-ceza, e ao lado poente d'ella. Mais tarde, achando-se abandonada e inutil por estar perfeitamente secca, e o seu tanque já desfeito em parte, e sahindo fora do alinhamento da rua, apenas servia para impedir o transito e, havia muito tempo já que se tinha resolvido fazer a sua demolição por inteiro. Foi a vinda a esta cidade de Suas Magestades e Altezas em 1852, quando regressavam da sua visita á província do Minho, que determinou o arranjo da rua onde esta fonte se achava collocada e por onde enganosamente se julgou se fizesse a sua entrada na cidade. Para se régularisai' a rua, foi então destruída a fonte e mudada para o logar que hoje occupa, sendo a sua construcção auctorisada por accordão do Tribunal do Conselho do Distrito de 16 de junho de 1863 e lavrada a Escriptura em 16 de abril do mesmo auno. (2) Só desde que esta mudança se fez é que a fonte ficou a ser alimentada pelo Manancial do Marquez de Pombal, pois que, até ahi, era abastecida por nascente própria”.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

(Continuação 7)

10.5 MANANCIAL DO CAMPO GRANDE E MANANCIAL DA AGUARDENTE



“A primeira referência conhecida sobre a existência de água no Campo de Mijavelhas surge no século XV na Crónica d' El Rei D. João I, escrita por Fernão Lopes que, reportando-se para a crise sucessória entre 1383 e 1335, relata que 700 homens do burgo do Porto juntaram-se junto ao chafariz aí existente para aguardar pela chegada das tropas galegas comandadas por D. João Manrique.
Mas, só a 22 de Setembro de 1548 é que surgem as primeiras referências relativas à existência deste manancial, aquando do Prazo de cedência da Quinta do Reimão, celebrado entre a Câmara da cidade e António de Madureira e sua mulher, Maria Fernanda das Póvoas. Uma das cláusulas do contrato dava o direito aos emprazados acima referidos de usufruir da água do ribeiro e da arca de Mijavelhas.
 Nas Memórias Paroquiais de 1758, o padre Simão Duarte de Oliveira descreve o seu percurso, como também salienta a importância dos lavadouros existentes no local, dizendo-nos que:

“[…] poço das Patas, onde se lavam a maior parte das roupas da cidade, que nunca falta por mais rigoroza que seja a sua, tendo também quantidade de tanques parta este efeito, cujas vertentes dessem à Ponte das Patas e por baixo dellas correm por três arcos a regar a Quinta de Francisco Diogo de Souza Cirne, a do Prado e a dos Padres da Companhia e dos seus moinhos de Val de Milhorados, e vai dezaguar ao rio Douro.”

O cano de Mijavelhas, bem como as suas fontes, foram arranjados a 11 de Maio de 1707 pelo Mestre pedreiro João Fernandes. Este voltou a arrematar outro conserto a 29 de Fevereiro de 1708. Mas foi na segunda metade do século XVIII, que a remodelação deste manancial, bem como dos outros existentes na cidade, foi uma das muitas preocupações da Junta das Obras Públicas.
Este aparece-nos referenciado como aqueduto de Mijavelhas ou aqueduto do Poço das Patas.
Em 1812, uma carta régia demonstra o interesse do soberano pela arca do Poço das Patas. Isto terá, por certa forma, impulsionado as obras de remodelação que foram feitas em 1819, demonstrando o desenvolvimento da planta como a conhecemos hoje, na estação de metro do Campo 24 de Agosto. No entanto, são visíveis as diferenças da construção entre o poço central em cantaria, e o espaço periférico em alvenaria, sendo o primeiro espaço, o mais antigo.
Henrique Duarte e Sousa Reis, em 1866, ao contrário de Baltasar Guedes dois séculos antes, eleva o valor da água bem como os vários nomes da mesma, dizendo:

“O segundo manancial, considerando a importância e qualidade d‟agoa que produz, vem a ser o chamado do Campo Grande, denominaçaõ posterior que se lhe deo por assim se (sic) conhecido o lugar aonde assenta a sua arca, sendo modernamente mudado o nome para Campo 24 d‟Agosto, notando se que a esta nascente chamava se primitivamente Mijavelhas”.

No estudo de Tito Bourbone de Noronha, 24 anos depois, revela-nos que a água era transportada em tubos de ferro até à fonte da Batalha e depois em tubos de chumbo para as fontes de S. Sebastião e da Rua Chã. Ainda refere que as fábricas de fiação abriram poços que fizeram o manancial secar, sendo depois estas a fornecer água às fontes públicas. Por último, refere que a água “não é límpida, de gosto regular.””
Com a devida vénia a Diogo Emanuel Pacheco Teixeira, In: Dissertação de Mestrado em História da Arte Portuguesa

O Campo Grande é o actual Campo de 24 de Agosto. Este concorrido local do Porto teve várias denominações ao longo dos tempos. Tinha, na Idade Média, a pitoresca denominação de Campo de Mijavelhas. Depois deram-lhe o nome de Poço das Patas, o que até se compreende se tivermos em conta as características alagadiças do terreno onde se formavam enormes poças que aquelas aves frequentavam com assiduidade. Em 1833, era o Campo da Feira do Gado, porque nesse espaço se realizava um importante mercado de gado bovino e seis anos depois, já era só o Campo Grande. A actual designação foi-lhe dada por deliberação camarária de 1 de Agosto de 1860.
O Manancial do Campo Grande tem sido, em comparação com os demais, o que menos atenção tem despertado, a quem se tem debruçado sobre a história do abastecimento de água à cidade do Porto. Daí que escasseiem alguns dados históricos, nomeadamente, o da data da sua construção.

Entrada para o sub-solo para o manancial do Campo Grande – Ed. J. Bahia Júnior em 1909


Segundo os dados que se conhecem no século XV existiu no local de Mijavelhas um manancial conhecido por Manancial de Mijavelhas e uma fonte com o mesmo nome- Fonte de Mijavelhas,

“…fonte para a qual se descia por alguns degraus, e nesse plano, talvez dois metros ou menos ainda, abaixo da superfície do campo havia compridos tanques de pedra lavrada, com as devidas divisões, onde a água se detinha e se tresvasava conforme o serviço da lavagem requeria; e, ali, ranchos de lavadeiras se entregavam à faina do seu trabalho, cantando ao desafio e fazendo com que os transeuntes, por vezes parando junto do parapeito superior, se entretivessem a gozar aquele passatempo. 
A água da fonte via-se afluir brotando em límpidos borbulhos á superfície da cavidade da terra ali formada.”
Árvores de uma grossura enorme, cuja ramagem, nos dias calmosos de verão produziam uma agradável sombra, rodeavam, cá em cima, os tanques que, lá em baixo, davam trabalho às lavadeiras. Eram alamos e choupos de tal pujança que deviam ter alguns séculos de existência. Apenas lá existe uma como para memória.
O campo da feira do gado era todo orlado dessas agigantadas árvores; tinha muitos bancos de pedra para comodidade do publico; tinha pelas extremidades do recinto, renques ou alas de piões, que de espaço em espaço eram aformosadas com alguns mais vistosos.
O solo era tão fundo que hoje, a sua depressão se acentuava mais do lado do poente e ao chegar a alinhar com a Rua do Bonfim em frente a Palácio do Cyrne, havia uma ponte com arcos de pedra, por baixo dos quais passavam as águas, que encanadas em parte, com certo ruído lá iam por debaixo da rua e em largo aqueduto, desaguar nos campos do fidalgo. Tinha a ponte para o lado da feira um bem lavrado parapeito e junto dele alguns bancos de pedra, onde por noites serenas os industriais do Bonfim vinham gosar a fresca viração que ali corria, e ouvir, além do canto das aves, o coachar das rãs que em baixo e aos pinchos nas águas se divertiam. E certamente em tempos passados até patos por ali andavam, e esse facto concerteza é que originou o dizer-se Poço das Patas
In O Tripeiro, Volume nº. 2 de 20/8/1909

Nos séculos XVI e XVII já se fazia o aproveitamento da água numa arca (Arca de Mijavelhas) e conhecem-se disputas sobre a água entre a Câmara e Frei Pero Vaz de Sousa e Cirne.
Desde 1629 que a Câmara tentava obter para a sua administração a água do ma­nancial de Mijavelhas (Campo de 24 de Agosto), com a qual iria abastecer o projetado chafariz da Rua Chã. A água deste ma­nancial e a das Fontainhas eram considera­das como as melhores do Porto daquele tempo.

“A Rua Chã tratava-se de uma artéria onde viviam as famílias mais importantes do burgo e o alto clero diocesano, pelo que, a Câmara tinha mandado construir nela, em 1391, uma estalagem " com bons cómodos" exatamente para a acomodação de quem estivesse de passagem.
Para serviço dos moradores e embelezamento da rua, a Câmara deliberou concretizar, aí por 1633, um projeto que alimentava havia três ou quatro anos: a construção de um chafariz.
E apontou logo o lugar onde ele devia ficar: “no encontro da Rua Chã com a Rua do Loureiro. Ou seja, na parte mais ampla da rua”.
E donde viria a água para alimentar o chafariz? De Mijavelhas.
Mas as negociações não foram fáceis. Aos louváveis intentos da Câmara opôs-se frei Pero Vaz de Sousa Cirne, da casa dos Cirnes, onde hoje funcionam os serviços da Junta de Freguesia do Bonfim, tutor de seu filho Manuel e herdeiro dos seus bens. 
Faça-se aqui um breve parêntesis para explicar o seguinte: Pero Vaz de Sousa Cirne, após a morte de sua mulher, ocor­rida antes de 1629, professou na Ordem Hospitalar de Malta. E aí está a explica­ção para o tratamento de frei e a existên­cia de um filho... 
A questão da água de Mijavelhas andou anos pelos tribunais. Frei Pero Vaz, que já trazia em mente a venda da casa dos Cirnes e a propriedade anexa, conhecida por quin­ta do Reimão, que se estendia até à quinta do Repouso do bispo, onde agora está o ce­mitério, alegava que a quinta valia 10 000 cruzados com a água; e que sem ela valia muito menos. Dizia mais: que além disso havia na cidade mais de 30 fontes, incluin­do as que estavam fora e as de dentro do bur­go. O que era verdade. Mas fontes de água boa para beber só havia três: a da Porta do Olival; a da Rua das Flores; e a da Rua Nova, actual Rua do Infante D. Henrique. 
Reconhecendo que não conseguiria ga­nhar a questão nos tribunais, a Câmara re­solveu tratar do assunto através, digamos assim, da via diplomática, procurando al­cançar um acordo que servisse as duas par­tes. E conseguiu-o. A partir de 25 de julho de 1633 a água de Mijavelhas passou a ser da cidade, mediante o pagamento, por par­te da Câmara, de 1000 cruzados a frei Pero Vaz. E à quinta do Reimão ficavam a per­tencer as águas vertentes de outras fontes. 
Concretizado este acordo, a Câmara co­meçou então a pensar a sério no chafariz da Rua Chã. Ainda nesse ano de 1633 a obra "foi posta a pregão", hoje diríamos a con­curso e as obras começaram logo a seguir, em 1634 ou 1635.”
Com a devida vénia a Germano Silva


Sobre aquela disputa conta-nos, por seu lado, J. Bahia Junior no seu trabalho “ Contribuição para a Hygiene do Porto”

“…Ora, querendo a Camará levar a agua d'esté manancial para uma projectada fonte na rua Chã, julgando-se para isso com direito pois que o dito manancial, posto que tivesse sido vendido o terreno em que estava, conservava no frontespicio da arca as armas reaes, fez-lhe opposição Frei Pedro Vaz Soares Cirne na qualidade de tutor de seus filhos menores que eram os possuidores do praso fateozim feito pela Camará em 22 de setembro de 1548, com o foro annual de 130 réis, no qual estava incluido este terreno, e cuja data de reconhecimento por Pedro Vaz Cirne e mulher, é de 3 de fevereiro de 1614. Tendo porém perdido os seus direitos perante o juizo da Correição'do Civel da Relação do Porto e teudo o Senado aggravado para a Casa de Supplicação, parece que reconhecendo já a sua infelicidade n'estas questões em que, como tivemos occasião de ver varias vezes, sempre perdia, desistiu, "com a clausula de ficar para os emphiteutas toda a agua das fontes que alli haviam,,. 
Finalmente por Escriptura de 25 d'agosto de 1633, comprou a Camará a Frei Pedro Vaz Soares Cirno a agua do Manancial de Mijavelhas pela quantia de 400S000 réis para  réalisai' o seu intento. Foi então logo feita a arrematação em hasta publica no anno seguinte de 1634 a 1635 da obra do Chafariz da rua Chã que foi tomado por 1:000$000 réis, custando depois mais 200S000 réis o rebaixamento do Chafariz por se ter reconhecido que o seu nivel era superior ao do Manancial, não contando portanto a agua n'este ponto.
Não foi n'este local que elle se fixou definitivamente, e a 20 d'outubro de 1635 era mudado para o largo onde permaneceu durante muito tempo, como consta no L.° 5 Prop. fl. 196…”

No texto acima a expressão “Praso Fateozim” que hoje se escreve “Prazo Fateusim”, era:

“Um prazo fateusim é um domínio, uma propriedade fundiária que passa por um contrato enfitêutico (enfiteuse) e é entregue em princípio em três vidas, diz-se assim, porque partia do chefe de família que depois podia deixar por morte à viúva e depois ao filho do casal que fosse nomeado para suceder. O contrato podia ser renovado noutras vidas e assim ia sendo o prazo transmitido na mesma família, mas não necessariamente de pai para filho.
Os domínios eclesiásticos usavam muito essa figura em contratos de cedência de propriedade em vidas para ser trabalhada, beneficiada (benfeitorias), contra determinados foros ou prestações fixadas para determinadas alturas do ano, geralmente, festas religiosas.
Estes contratos tiveram tendência para se extinguir no período liberal”. 
Fonte - Pedro França In: geneall.net


No século XVII conhece-se, também, a existência de enxurradas que soterraram a arca.
No século XVIII é levantado um novo aqueduto de abastecimento de água à cidade a partir do Campo Grande.
O Manancial do Campo Grande era resultado da junção do Manancial de Montebelo e de algumas minas existentes nas imediações.
Uma dessas minas situava-se na Póvoa de Baixo, ou seja o local onde hoje confluem a Rua de Santos Pousada e o Campo 24 de Agosto. A água daqui proveniente era conduzida num encanamento até à Arca do Poço das Patas.
O Manancial do Montebelo, por sua vez, corria pela Rua do Montebelo, a actual Avenida Fernão de Magalhães.
Este manancial que pertenceu ao bispo, tinha na padieira da porta de entrada, junto ao prédio com o nº 190 da Rua de Montebelo, a pedra de armas episcopais de Frei José Maria da Fonseca Évora e gravada a data de 1749.
Em 1838 a água proveniente deste manancial foi cedido à Câmara.

Entrada do Manancial de Montebelo – Ed. J. Bahia Júnior em 1909

Na foto acima vê-se a porta de entrada do manancial de Montebelo, encimada pelas armas episcopais e situado no extremo da Rua das Eirinhas, junto ao que é hoje a Avenida Fernão Magalhães.


Rua de Montebelo

Zona da antiga Rua de Montebelo em 1952 – Fonte: Arquivo Histórico e Municipal

Na foto acima com as Eirinhas à direita, e à esquerda no que é hoje o Bairro de Fernão de Magalhães, podem observar-se os trabalhos da abertura daquela avenida entre a Rua de Barros Lima e o Campo 24 de Agosto.

Aspecto actual do local da foto anterior – Fonte: Google maps


Existiria então uma mina na Rua de Montebelo, propriedade de José de Melo Peixoto e de Bento Luís Correia de Melo, conhecida por mina dos Melos. Desta mina a água seguia para uma arca situada no tal prédio, que fazia esquina com a Rua das Eirinhas.
Daqui, de um dos ramos desta mina, saía um cano de chumbo que levava a água pela Rua Ferreira Cardoso e Rua do Saldanha para abastecer a Fonte Exterior do Cemitério do Prado do Repouso, a Fonte do Roseiral (junto ao crematório) e os dois tanques semi-circulares existentes na entrada Norte do cemitério.
Sabe-se, por um documento que existe, que no ano de 1849, existia "uma biqueira" (telha por onde corre a água) que lançava no Manancial do Campo Grande, água que vinha de uma outra mina, do Visconde de Castelões situada na Estrada do Senhor do Bonfim, ou entrada da actual Rua do Bonfim.
Em data que não é possível confirmar, a Misericórdia do Porto comprou uma outra nascente, a Manuel Correia Espadeiro e mulher, moradores no Poço das Patas, "huma poça d'Agua, no Monte de Mijavelhas, junto aonde antigamente estivera a forca" para ser introduzida no manancial e daí seguir para o recolhimento das Órfãs (Nossa Senhora da Esperança).
Vejamos agora quais eram as fontes e os chafarizes que beneficiavam da água deste manancial. Em primeiro lugar, naturalmente, a "Fonte de Mijavelhas", aquela que foi encontrada aquando da construção da estação do Metro e cujas pedras a administração daquela empresa em boa hora resolveu conservar, dentro da própria estação, como memória histórica do sítio.
As "vertentes" (águas que sobravam) iam abastecer "os magníficos lavadouros públicos" que ali havia e, após isso, continuavam a céu aberto e a sua força era aproveitada para mover os moinhos das Fontainhas.

Fonte de Mijavelhas - Fonte: portoarc.blogspot.pt

Arca d’Água de Mijavelhas ou do Poço das Patas - Fonte: portoarc.blogspot.pt


A água do Manancial do Campo Grande seguia, também, devidamente encanada, por baixo da Rua da Murta (foi Rua do Mede Vinagre e é hoje a Rua do Morgado de Mateus) e saía em S. Lázaro, "defronte onde estava a Igreja Velha dos religiosos Antoninos" (edifício da Biblioteca Pública Municipal) para onde seguia um anel de água.
Um anel equivalia a oito penas e cada pena correspondia a um fornecimento diário de 630 litros. Era com um anel de água, por exemplo, que o aqueduto abastecia a Fonte de S. Lázaro.
A água do Campo Grande abastecia, neste percurso, mais as seguintes fontes públicas: uma na Rua das Fontainhas, que ficava mesmo à entrada desta artéria; o chafariz da Praça da Batalha obra monumental "que evocava os melhoramentos feitos nesta praça nos tempos passados"; seguia depois "o encanamento" pela "Rua da Senhora do Terço" e pela Rua Chã, até ao chafariz de S. Miguel-o-Anjo, construído por iniciativa do Cabido, no antigo Largo da Sé, acima do sítio onde estava a Porta de Vandoma e onde ainda está; o célebre chafariz da Rua Chã, que ficava entre a rua deste nome e a Rua do Cativo, em frente à casa conhecida pelo Paço da Marquesa, por nela ter vivido a última Marquesa de Abrantes; a Fonte do Largo de S. Sebastião, uma das mais antigas que havia na cidade, actualmente no Largo do Dr. Pedro Vitorino.
Várias fontes do Cemitério do Prado, como já vimos e a fonte do Padrão de Campanhã, eram abastecidas por água deste manancial.
Do Campo Grande partia também, em direcção ao rio Douro resultante de toda a abundância de águas deste local, um regato conhecido por Ribeira de Mijavelhas ou Ribeira do Poço das Patas.
A ribeira tinha o seu leito sensivelmente, pelo que é hoje a Rua do Duque da Terceira, sendo atravessada na chamada, Estrada do Senhor do Bonfim pela Ponte das Patas e encurvando um pouco seguia num leito próximo ao traçado da Rua Duque da Terceira, antes de chegar à sua foz.
No último troço do seu percurso, antes de se precipitar no rio Douro, em tempos, as suas águas faziam mover alguns moinhos, no que em tempos se chamou, segundo o padre Simão Duarte de Oliveira, Vale de Milhorados.

“A Arca do Poço das Patas no ano de 1868 sofreu uma reparação; e, à beira da fonte de duas bicas, construíram um tanque provido de 3 canecas de folha-de-Flandres, presas por cadeias, para uso dos moradores da vizinhança, que iam buscar água destinada aos usos domésticos. Isto é, só as ditas canecas é que mergulhava no tanque, evitando-se assim, como manda a boa higiene, a conspurcação da água pelo constante submergir das vasilhas, nem sempre limpas… Para Noroeste, nas traseiras do Balneário Municipal, em ponto fundo borbulhava uma copiosa nascente, cuja água alimentava uma fonte de chafurdo ou de afoga caneco, abastecia um lavadouro grande e outros mais pequenos (destruídos em 1899 aquando da peste bubónica); e, em volumoso regato, deslizava para as bandas do Sul com direcção ao Monte do Seminário, onde se despenhava no Rio Douro.”
Fonte - O Tripeiro, Série VI, Ano XII, In: portoarc.blogspot.pt


Foz da Ribeira de Mijavelhas – Fonte: oportoeagua.blogspot.pt


Na foto acima vê-se o local (a cerca de 80 metros a jusante da ponte Maria Pia), onde a ribeira de Mijavelhas, após ultrapassá-lo, seguirá num aqueduto sob a Avenida de Paiva Couceiro e as suas águas, encontrarão então, o rio Douro.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

(Continuação 6)



Fonte da Quinta das Virtudes

Nesta quinta, inicialmente adstrita ao Solar do Capitão Meireles funcionou o “Horto das Virtudes” criado e dirigido por José Marques Loureiro, horticultor e floricultor, nascido em Besteiros, no distrito de Viseu, em 1830. Faleceu no Porto em 1898.
Uma estátua em bronze denominada “A Flora”, em homenagem a José Marques Loureiro, da autoria de Teixeira Lopes (filho) foi inaugurada em 20 de agosto de 1904 no Jardim João Chagas na Cordoaria.
Actualmente a quinta é um espaço de lazer aberto aos munícipes do Porto, e tem como ex-libris uma Ginkgo biloba de 40 metros de altura.

Flora na Cordoaria


Quinta das Virtudes e a Ginkgo biloba, à direita - Ed. Isabel Silva



Fonte do Bicho ou do Borges


Fonte do Bicho ou do Borges

A Fonte do Bicho ou do Borges encontra-se na embocadura da Rua de S. Pedro de Miragaia.

“No ano de 1821 foi cedida uma pena d'água ao capitão Borges, da Marinha Mercante, com a cláusula expressa na escritura de, à sua custa, mandar construir na frente da sua casa um chafariz para serventia do público.” 
In O Tripeiro



Foi restaurada em 1940 e tinha ficado escondida em plano inferior após as obras de construção da Alfândega Nova.

Placa identificativa da Fonte da Colher


Chafariz da Colher com uma bica, actualmente - Ed. Isabel Silva


Chafariz da Colher


A Fonte da Colher ainda funciona, embora não esteja no sítio primitivo. Está agora encaixada, se assim se pode dizer, na fachada de um prédio da Rua de Miragaia, perto das Escadas do Monte dos Judeus. O sítio onde se localiza a fonte, uma espécie de logradouro, ao fundo das Escadas do Monte dos Judeus e das embocaduras da Rua dos Armazéns e da Viela da Companhia, chamou-se, em tempos idos, Escampado, Escampadouro, Largo dos Navios e Largo da Fonte da Colher. A mais antiga referência que se conhece à Fonte da Colher está num documento do cartório do Cabido que se guarda no Arquivo Distrital do Porto e refere-se ao ano de 1491 e diz respeito a um "contrato condicional de censo de 300 reis para aniversários, imposto nas casas que estão em Miragaia sobre a Fonte da Colher… O nome de Colher anda ligado a um antigo tributo (por cada alqueire que tinha 40 colheres pagavam uma) que os feirantes pagavam quando vinham vender os produtos da sua lavra à cidade. Pagava-se esse imposto de "todo o pão, farinha, nozes, castanhas e legumes que de fora chegassem ao Porto para aí serem vendidos". É verdade, também, que a sua água foi em tempos considerada "como a melhor em qualidade que teve a cidade". Pode-se avaliar da antiguidade desta fonte pela leitura da legenda, hoje quase imperceptível, que foi gravada na lápide da frontaria "Louvado seja o Santíssimo Sacramento e a Puríssima Conceição da Virgem Nossa Senhora, concebida sem pecado original. 1629. A água d'esta fonte é da Cydade…" 
Com a devida vénia a Germano Silva

Rio Frio desagua no Rio Douro por baixo da Alfândega Nova


Fonte de Hulsenbos

Fonte Hulsenbos - Ed. Isabel Silva


Datada de 1907, esta fonte está situada bem a meio do Largo Artur Arcos, na freguesia de Miragaia, entre a Rua da Arménia e a Rua Nova da Alfândega, também conhecida por fonte de Hulsenbos, por ter sido mandada construir por Miss Hulsenbos, filha do cônsul da Holanda, no Porto, fundadora nesta cidade, da Sociedade Protectora dos Animais. 

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

(Continuação 5) - Actualização em 27/04/2018


O Rio Frio ou Rio do Carregal nasce nas proximidades da actual Rua da Torrinha, passa pelo Carregal, por baixo do Hospital de Santo António, abastece o Chafariz das Virtudes, a Fonte da Colher e desagua no Rio Douro por baixo da Alfândega Nova.
Hoje está totalmente encanado, e antigamente antes de chegar ao rio Douro, corria ao longo do areal da praia de Miragaia.
O topónimo Carregal deriva da existência de carregas, plantas próprias de terrenos pantanosos.


Rio Frio encanado



Planta de Trant (Planta Redonda, oferecida ao General Nicholas Trant, publicada em Londres em 12 de Agosto de 1813) sobre o sítio do Carregal e imediações

Legenda:
1. Carregal
2. Rua do Carregal
3. Viela do Carregal
4. Rua do Prof. Jaime Rios de Sousa
5. Beco do Paço


 “Toda esta encosta, por onde corre o Ribeiro Frio, era nos fins do séc. XIV ainda um terreno ermo e baldio, onde os judeus enterravam os seus mortos. A Alameda das Virtudes foi plantada por ordem do grande corregedor Francisco de Almada e Mendonça, entre as ruas dos Fogueteiros, do Calvário de Belomonte e Cordoaria Velha, no lugar onde antes existiu o Postigo e Torre das Virtudes, na Muralha Fernandina. Fica-lhe junta a Fonte de nossa Senhora das Virtudes, mencionada em documento de 1580, e que se chamou também Fonte do Rio Frio…" (Toponímia Portuense de Eugénio Andrea da Cunha e Freitas)



Rio Frio (a azul) - Planta de Costa Lima de 1839

Legenda:

1. Carregal
2. Hospital de Santo António
3. Leito futuro da continuação da Rua da Restauração
4. Rua do Rosário
5. Torre da Marca
6. Rua dos Quartéis
7. Rua do Carmo
8. Alameda das Virtudes


Há quem diga que o topónimo “Virtudes” deriva da fonte monumental, constru­ída em 1619, em forma de retábulo. A fonte das Virtudes é assim denominada porque, segundo uma antiga tra­dição, corroborada por Francisco da Fonseca Henriques, médico de D. João V, no livro Aquilégio Medicinal, que publicou em 1716, a sua água tinha «a rara virtude» de curar várias moléstias e, por isso, era procurada por gente não apenas do Porto mas também das redondezas. Porém, já em 1376 esse topónimo existia, e foi associado à muralha fernandina e a um dos seus postigos e, posteriormente, a uma porta (Porta das Virtudes) que seria demolida em 1801 "para desafogo e enobrecimento do sítio".
É portanto lícito, pensar-se, que o topónimo “Virtudes” será muito mais antigo, mas impossível de ser associado ao que quer que seja.

Fonte das Virtudes ou Fonte do rio Frio e Alameda das Virtudes e Passeio das Virtudes

No ano de 1619 mandou a Câmara Municipal erguer uma fonte – a Fonte do Rio Frio, que mais tarde veio a chamar-se Fonte das Virtudes – para o ádito da qual, mandou, igualmente, abrir uma rua que, por se apresentar sobremaneira declivosa, ficou a denominar-se Calçada… das Virtudes. Foi a fonte mais aparatosa e mais imponente que teve o Porto. O seu frontispício elegantíssimo e de linda arquitectura, termina num meio círculo interrompido pelas armas reais, e entre esta pedra armorial e uma inscrição, tem dois castelos em alto-relevo, divididos por uma edícula, onde esteve a imagem da Virgem – pelo povo conhecida por Senhora das Virtudes – que representava, com os ditos castelos, as armas da cidade". 
In Toponímia Portuense de Eugénio Andrea da Cunha e Freitas

A inscrição feita em mármore, na fonte, hoje ilegível, tem o seguinte texto de Pantaleão de Seabra e Sousa, poeta insigne do seu tempo e fidalgo da casa real: 

“aqui flui a fonte dita das Virtudes: quem tiver sede já pode beber sem receio. Estas águas nasciam de uns penedos cavernosos, e andavam por aqui perdidas em charcos imundos e sombrios. A Câmara Municipal as expôs como vedes, fazendo esta majestosa fábrica e, para lhe dar maior realce, abriu esta estrada e fez estes assentos no ano de 1619”.
Fonte: O Tripeiro Série V, Ano XV


“A estrada a que o poeta se refere era a alameda chamada das Virtudes. Nos séculos XVII e XVIII, o espaço hoje denominado Calçada das Virtudes estava, efetivamente, transformado em alameda e era um dos mais animados locais do Porto, por onde passavam as mais lindas mulheres daqueles tempos. Era também, especialmente ao cair das tardes amenas de verão, ponto de reunião obrigatório de juízes da Relação; mercadores de "grosso trato"; fidalgos ociosos; frades "alambicados" e poetas improvisadores. 
Um desses poetas ficou célebre na crónica portuense. Chamava-se João Sucarello Claramonte e exercia a profissão de médico. Era um dos mais assíduos na alameda das Virtudes, onde, com seus madrigais, derriçava as raparigas que iam encher os cântaros a uma das bicas da fonte. Ficou célebre uma dessas moças, a quem Sucarrello dedicava especial atenção e que era conhecida pela "Corcoz". 
Era tão numerosa, naquela época, a afluência à alameda das Virtudes de cadeirinhas, mas também de trens e carruagens, que houve necessidade de alargar o postigo da Muralha Fernandina para que aqueles meios de transporte pudessem passar sem dificuldade. Transformaram-no em porta”.
Com a devida vénia a Germano Silva


Inscrição de impossível leitura actualmente na Fonte das Virtudes - Ed. Isabel Silva



Bicas da Fonte das Virtudes - Ed. Isabel Silva




Foto antiga da Fonte das Virtudes

Na foto acima em plano baixo, vêem-se as duas carrancas de pedra que faziam de bicas, assim como o lajeado polido que servia de fundo ao tanque.


Pinho Leal, no seu livro Portugal Antigo e Moderno, refere: 

“causa dó uma obra de tanto preço votada ao abandono, pois há muito que o público não faz uso da água desta fonte, preferindo, por maior comodidade, a do Chafariz das Taipas, cuja água já pertence ao manancial de Paranhos e não do Rio Frio; e mesmo porque a das Virtudes era mal saborosa. Lá se conservam ainda os dois tanques das lavadeiras, aumentando progressivamente o número destas com o desenvolvimento da cidade.
Depois das Fontainhas, são estes os lavadouros públicos de maior movimento que há hoje (1875) no Porto". 

Alberto Pimentel a propósito da Fonte das Virtudes, numa cena do seu romance ”O Anel Misterioso”, passada em 1810, conta-nos:

“Cumpre dizer que na primeira década do seculo XIX era ainda a Fonte das Virtudes o local destinado ás comezainas das familias burguezas do Porto. Ahi se reuniam em ruidosos convivios, deposta a mantilha, e irmanados novos e velhos pelo mesmo apetite e pela mesma alegria.
O camartello das demolições municipaes tem—avis rara!—respeitado até hoje esta legendaria fonte que se compõe d'um alto frontispicio, ornado de pyramides, e firmado em bancos de pedra, que a rodeiam. Rebenta abundantemente a agua por duas enormes carrancas em conformidade com a esculptura de todos os chafarizes antigos. Ladeiam a fonte dois grandes tanques, durante todo o dia, ainda hoje, frequentados por lavadeiras. N'esses bons tempos, ficava a fonte extra muros; sahia-se para ella pela porta a que a fonte deu nome. Ao lado da porta, na eminencia da parte oriental, havia já então os chamados Assentos, actualmente Passeio das Virtudes.
O padre Agostinho Rebello da Costa, na sua Descripção topographica e historica da cidade do Porto, impressa em 1789, escreve ácerca d'este local: «Em toda a cidade, não ha sitio nem mais ameno, nem mais agradavel; porque além da sua bella posição adornada de regulares edificios, gozam os olhos d'um só golpe, vista de cidade, de mar, rio, navios, montes, campinas, quintas e palacios. O grande paredão, que presentemente se está fazendo, para com elle se formar uma praça correspondente á belleza, e magnificencia d'esta agradavel situação, será um monumento eterno do patriotico zelo que Rodrigo Antonio de Abreu e Lima, cavalleiro professo na ordem de S. Thiago, inspector da marinha do Douro, administrador geral dos portos seccos das trez provincias do Norte, e actual juiz da alfandega, mostrou em obrigar o senado da camara a fazer esta obra interessantissima á regia utilidade, e recreio publico”.


A Fonte das Virtudes actualmente - Ed. Isabel Silva


Pela foto acima se pode observar que o escudo nacional que encima a fonte não apresenta no seu cume a habitual coroa real.
Segundo alguns, porque teria sido destruída numa curva da história e, segundo outros, para uma hipótese mais plausível que apontaria para a eventualidade da coroa nunca ter existido, pelo facto, de que, quando a fonte foi levantada, estarmos sob o domínio dos Filipes.
Uma outra ausência notada era para a inexistência de um tanque de recolha da água das bicas, que teria sido demolido há muito.
Desde pelo menos o séc. XIV os portuenses aproveitavam os dias amenos para se deleitarem com as belas paisagens deste local.
Ainda durante a existência da muralha, o corredor que por aí se desenvolvia exteriormente, junto a ela, era conhecido pelo Caminho e, mais tarde, seria conhecido por Rua do Calvário (actual Rua Dr. Barbosa de Castro que foi um presidente da Câmara).
Aquele “Calvário” era o novo para o distinguir do velho, que ficava na hoje Praça Guilherme Gomes Fernandes.
Dado o agrado dos habitantes daquela zona, a Câmara mandou abrir, em 1682, um recinto espaçoso destinado a passeio público. No início esse recinto ficava adjacente a um arruamento chamado de Rua dos Torcedores dos Assentos das Virtudes.


Em 1788, o inspetor da Marinha do Douro, Rodrigo António de Abreu e Lima, começou a construir um alto paredão (o das Virtudes), que pouco depois de ficar concluído ruiu es­trondosamente.
Todavia, por ordem do Corregedor Francisco de Almada e Mendonça (1757-1804), foi reconstruído no começo do século XIX e, é, o que ainda hoje, existe. Por esta altura foi demolida a Porta das Virtudes, como atrás se disse. 

“A partir desse momento, esse paredão passou a ser o suporte de uma varanda que passaria a ser um miradouro sobre o rio e, para a consolidação do mesmo, foi feito o entulhamento de todo o espaço que ficava entre o dito paredão e a Muralha Fernandina. Não tar­dou, por isso, que começassem a ser construídas casas na parte poente da antiga Rua do Calvário, hoje Rua do Dr. Barbosa de Cas­tro. Com uma curiosidade: a maior parte das casas que se iam construindo tinham duas frentes, uma voltada para a rua, ou­tra para a alameda das Virtudes. Foi o caso, por exemplo da casa onde, a 4 de fe­vereiro de 1799, nasceu João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, efeméri­de evocada na fachada do prédio por uma artística lápide”. 
Com a devida vénia a Germano Silva



Paredão de suporte do Passeio das Virtudes



Texto sobre O Passeio das Virtudes em O Tripeiro




Passeio das Virtudes com 3 entradas, gradeado à direita (Nascente)


Horácio Marçal afirma, em O Tripeiro Série V, Ano XV que: 

Em Novembro de 1853 o largo fronteiro (ao prédio onde mais tarde esteve o Clube Inglês) foi todo aplanado na sua superfície e resguardado, nos lados Norte e Poente, por um gradil de ferro que subsiste”. 

Na mesma revista se descreve a foto acima, da seguinte forma: 

“É do Passeio das Virtudes a fotografia que O Tripeiro apresenta no seu número de Maio (de 1948). Arborizado, como se vê na fotografia, tinha pelo Nascente um gradeamento de ferro, com três entradas, que à noite se encerravam. Pelo Poente e Norte tinha o gradeamento, que conserva ainda hoje, e parece ter sido ali colocado a fim de evitar sucessivos e trágicos acidentes, que a altura da sua muralha tornava propícios. Com o gradeamento acabou-se a cisma, e ainda bem… Era este recinto pouco cuidado e limpo e, o que era pior permitia-se que por ali estagiassem vadios e mendigos, catando-se e dormindo por aqueles bancos, o que era de um efeito bastante desagradável. Modernamente foi ajardinado, sofrendo várias modificações que tornaram o local um pouco mais aprazível, o que já não era sem tempo”. 


O Passeio das Virtudes em 1948

A foto anterior é de 1948, e nela pode ver-se o novo ajardinamento deste passeio e, que, já não existem as grades e portões de Nascente.
O Passeio das Virtudes acabaria também por ser, Alameda das Virtudes e Largo da Bateria das Virtudes. Este topónimo, por causa de uma trincheira (bateria) que os liberais ali montaram durante o Cerco do Porto. 

Horácio Marçal, em 1959 afirma ainda que: 

”Desde há compridos anos que o passeio das Virtudes, já não falando da área fundeira onde permanecem as ruínas da fonte – que essa, infelizmente encontra-se num estado calamitoso – deixou de ser frequentado pelas famílias gradas cá da nossa terra. Está, pode dizer-se, num abandono verdadeiramente confrangedor”. 


O gradeamento na actualidade

Passeio das Virtudes actualmente

Escultura no Passeio das Virtudes


Escultura da foto acima representa “Os 4 Cavaleiros do Apocalipse” (1965), e é uma obra do escultor Gustavo Bastos.


Panorama obtido a partir do Passeio das Virtude sobre a cidade e o rio