quarta-feira, 2 de agosto de 2017

(Continuação 23)




“Gonçalo Cristóvão Teixeira Coelho de Melo Pinto da Mesquita, senhor de Teixeira e de Cergude, e da Quinta de Santo António do Bonjardim, planeou, em 1831, iniciar a urbanização desta sua vasta e bela propriedade, então às portas da cidade. Para isso, com parecer favorável do Corregedor, de 19 de Janeiro de 1832, alcançou uma Provisão, em 8 de Fevereiro seguinte, para ceder parte desses terrenos à Câmara. Mas só por escritura de 31 de Dezembro de 1838 se efectivou esta cessão abrindo-se no ano seguinte de 1839 três artérias: a Rua Nova do Duque do Porto, hoje Rua de João das Regras, a de Camões e a de Gonçalo Cristóvão. Esta que faria a ligação entre as ruas de Santa Catarina e do Bonjardim com o Campo de Santo Ovídio actual Praça da República dizem-no que recebe o nome do doador por expressa imposição deste. Nos terrenos marginais das três artérias subemprazou depois seu filho e sucessor José António Teixeira Coelho de Melo Pinto da Mesquita, chãos para edificar, o que se fez rapidamente, com o consentimento do senhorio directo que era o Cabido da Sé do Porto.
Existe uma planta desenhada por Costa Lima, em 1838, que aponta a Rua de Gonçalo Cristóvão sem alcançar ainda a do Bonjardim e outra, do ano seguinte em que já a mostra ligando-a ao actual Largo do Dr. Tito Fontes. A continuação até à Rua de Santa Catarina fez-se só mais tarde, não figurando ainda na planta de Perry Vidal, de 1844”. 
Eugénio Andrea da Cunha Freitas -"Toponímia Portuense"



O fidalgo do Bonjardim, como era conhecido Gonçalo Cristóvão Teixeira Coelho de Melo Pinto da Mesquita, era o 16º senhor de Teixeira.
O seu pai, Bernardo José Teixeira Coelho foi o 15º senhor de Teixeira, possuindo casa em Vila Real de onde era oriundo, assim como em Lisboa, onde costumava passar largas temporadas como fidalgo da corte, teria estado 16 anos encarcerado no forte da Junqueira, por ordem do Marquês de Pombal, de 1761 a 1777. Só seria libertado, pela demissão do ministro em Março daquele ano. Mal saiu em liberdade, foi para Vila Real onde ainda viveu muitos anos.


Planta antes da abertura da Rua Gonçalo Cristóvão


Toda a área circundante à actual Rua de Gonçalo Cristóvão fazia parte dos terrenos da Casa e Quinta de Santo António do Bonjardim.

“Esta quinta era foreira ao Cabido da Sé do Porto, seu directo senhorio, e cujo domínio útil pertencia a Gonçalo Cristóvão que detinha a enfiteuse.
Este ofereceu à Câmara a quinta para nela se fazerem duas ruas (só mais tarde teria sido decidido abrir a Rua de Camões) tendo os terrenos laterais, mal elas se rasgaram, começado logo a serem subemprazados a diversos particulares que implicitamente ficavam também a ser onerados com o respectivo laudémio de 4-1 a favor do Cabido”.

Em 1831 Gonçalo Cristóvão requereu ao governo (miguelista) que estava disposto a oferecer gratuitamente à Câmara todo o terreno necessário à abertura de três ruas, desde que, a uma delas, fosse dado o seu nome.
A Câmara aceitou a generosa oferta em 1838, com a condição expressa de que toda a água lá encontrada seria para uso da cidade, pelo que se lavrou escritura em 1838, mas, já com o filho.
À época das negociações dos termos daquela escritura e para a abertura da Rua de Camões, o proprietário era já o filho de Gonçalo Cristóvão, José António Teixeira Coelho de Melo Pinto da Mesquita, moço fidalgo da Casa Real, que assentou praça em 1794 com 15 anos e, em 1814 era tenente-coronel com exercício de coronel-comandante do Batalhão de Voluntários Reais do Porto.
A Quinta do Bonjardim, que tinha a forma de um pentágono invertido, era limitada ao sul pela Travessa da Doida (Rua de Liceiras, hoje Alferes Malheiro) que chegando ao sítio da actual estação do metro remontava para a Rua do Bonjardim, fazendo assim os dois lados inferiores do pentágono; ao poente pela Praça de Santo Ovídio (Campo da Regeneração) e um pouco da Rua do Almada; ao norte pelo sítio de Germalde (onde se abriu com direcção nascente-poente a Nova Rua do Duque do Porto, hoje João das Regras); e ao nascente pela Rua do Bonjardim.
A Rua Nova do Duque do Porto é aquela que pelo lado direito chega à fachada principal do Quartel da Praça da República e que, portanto, está em frente da Rua da Boavista. A casa senhorial da quinta erguia-se um pouco acima do actual Largo do Dr. Tito Fontes, voltada para a Rua do Bonjardim.
Foi num dos terrenos por onde passaria a Rua Gonçalo Cristóvão que se fez a mina de água para o Manancial de Camões.
Diga-se ainda, que o título nobiliárquico de Duque do Porto foi criado em 1833 pela rainha D. Maria II de Portugal, a favor de si própria, sendo portanto o 1º Duque do Porto. O título está ligado à família real sendo normalmente atribuído ao segundo filho do Chefe da Casa Real.
Naquele ano D. Maria II, imporia também à cidade do Porto, no seu brasão, o colar de Torre e Espada e ainda o símbolo da casa de Bragança - O Dragão.
D. Luís de Bragança, Infante e depois Rei de Portugal, por morte prematura de seu irmão – D. Pedro V, seria o 2º Duque do Porto.
Afonso de Bragança, conhecido como o Infante D. Afonso (Afonso Henrique), segundo filho do rei Luís I e da rainha Maria Pia de Saboia, e irmão mais novo do rei Carlos I, viria a ser o 3º Duque do Porto.
Conta-se que era conhecido como «O Arreda». Amante de carros e de velocidade percorria as ruas no seu automóvel aos gritos «Arreda, Arreda!» para que as pessoas saíssem da frente, o que lhe valeu o cognome. Foi responsável pela organização das primeiras corridas de carros em Portugal.


Planta centrada no Campo de Santo Ovídio (sinalizada com um X) e imediações/PLANO DA CIDADE DO PORTO (entre 1818 e 1824) por José Francisco de Paiva


“Na planta acima pode-se observar que:
No Campo de Santo Ovídio (Praça da República) estão projectadas as diversas vias que partiam dos quatro cantos da praça.
· O prolongamento da rua da Boavista para poente;
· Uma via no lado sul da praça que não será realizada;
Do lado nascente urbanizando a Quinta de Santo António do Bonjardim (pertencente a Gonçalo Cristóvão) um conjunto de ruas:
· No sentido O/E e até à rua do Bonjardim: a rua Gonçalo Cristóvão e a futura rua Nova do Duque do Porto (hoje rua João das Regras).
· No sentido N/S até à praça do Laranjal (da Trindade) uma nova rua (Camões) e da praça do Laranjal para norte uma rua até à rua e ao largo do Bonjardim (largo Tito Fontes).
Estas ruas serão abertas a partir de 1839.
No cruzamento da Rua da Torrinha com a Rua de Cedofeita seria projectada uma praça. Desta partia uma ligação a norte à Rua de Santo Ovídio (Mártires da Liberdade) e uma outra rua a sul que formaria uma outra praça no encontro com a Rua de Santo Ovídio um pouco a norte do largo do Mirante (largo Coronel Pacheco).
O traçado mais interessante é, contudo, o arruamento que partia desta praça partia até ao limite NE da planta formando uma nova praça quadrada no encontro com uma via projectada que partia na direcção norte com início no cruzamento da Rua Direita com a Rua Formosa (a futura Rua Santos Pousada).”
In “doportoenaoso.blogspot”


Depois de 1838 foram portanto, abertas três ruas nos terrenos da Quinta do Bonjardim.
Uma com a direcção sul-norte, a Rua de Camões e outra no sentido nascente-poente a que se chamou Gonçalo Cristóvão, a terceira, paralela a esta, no limite setentrional da quinta, também no sentido nascente-poente, a actual Rua João das Regras.
Inicialmente a Rua de Camões ia só até à Rua do Paraíso. E manteve esse traçado até, pelo menos, o ano de 1866. Só depois deste ano é que se fez o prolongamento até à embocadura da Rua de S. Brás.
A primitiva Rua de Gonçalo Cristóvão corria entre o Largo do Bonjardim e o Largo de Santo Ovídio. Depois, mais tarde, é que se abriu a parte da Rua de Gonçalo Cristóvão que vai até à Rua de Santa Catarina. Na parte que ia para Santo Ovídio junto à Rua de Camões havia uma depressão muito grande e foi preciso para a nivelar construir de ambos os lados da rua dois altos paredões. Ainda se pode ver o do lado sul sobranceiro à estação da Trindade. O paredão do lado norte desapareceu pois foi aterrado, em 1852, para trazer os terrenos desse lado para o nível da rua.
No lado da rua que vai em direcção da Rua de Santa Catarina o problema era inverso. Havia uma alta pedreira que foi preciso desbastar. Ainda hoje restam indícios.
Na esquina de Gonçalo Cristóvão com a Praça da República construiu-se o Palacete das Águias no qual esteve a cooperativa “O Problema da Habitação” (actualmente é a Ordem dos Advogados).
Na esquina oposta e com frente para a Rua do Almada ergue-se o Palacete dos Pestanas com a Capela dos Pestanas de estilo neo-gótico mandada construir em 1888 pelo engenheiro Pestana da Silva.
Em redor da capela e nas traseiras do Palacete dos Pestanas viceja um jardim que chegou a ser um dos melhores e mais aprazíveis da cidade.
Nos terrenos hoje da Estação do Metro da Trindade, que foram antes também da Estação Ferroviária da Trindade, espaçoso recinto que já teve o topónimo de Largo de Camões, albergou em tempos idos o antigo Horto Municipal.


Horto Municipal na Rua de Camões - Fonte: CMP, Arquivo Histórico Municipal

Na foto acima de 1916, o prédio no alto é o palacete das Lousas, onde esteve a Escola Raúl Dória e que hoje alberga o Jornal de Notícias.
No Largo de Camões tinha sido inaugurado em 27 de Novembro de 1886 o Novo Teatro Camões, que pouco tempo depois, em 1887, passou a chamar-se Teatro Chalet e que seria demolido em 1899 para ser ampliado o horto.
No Largo de Camões, já nos anos 30, do século passado, com as suas típicas casas de pasto em redor, estacionavam as camionetas de passageiros que serviam as zonas arrabaldinas do lado oriental da cidade.
Na foto abaixo podem ver-se as obras para alargar a via a montante da Estação da Trindade na esquina com a Rua de Camões.


Alargamento da via junto à Rua de Camões

Estação Ferroviária da Trindade - Fonte: “Delcamp.net”

Rua Gonçalo Cristóvão em 1960 antes da construção do viaduto

O viaduto de trânsito automóvel e carros eléctricos foi aberto no dia 20 de Setembro de 1962. 

Viaduto em construção – Fonte: CMP, Arquivo Histórico Municipal

Panorâmica obtida a partir da Praça da República do viaduto da Rua Gonçalo Cristovão em construção.
O viaduto haveria antes da sua inauguração de colapsar, pelo que foi necessário mais um ano de reparações para finalmente abrir ao trânsito, até hoje.


Viaduto da Rua de Gonçalo Cristovão em Outubro de 1961, após ter colapsado - Fonte: CMP, Arquivo Histórico Municipal

“Na Rua Gonçalo Cristóvão estavam as escolas primárias: Escolas Paroquiais da Freguesia de Santo Ildefonso, fundadas em 1886. No mesmo edifício encontravam-se instaladas a Regedoria e a Junta de Santo Ildefonso assim como uma Biblioteca Popular a nº 1, a cargo da Câmara.
Também na mesma rua, no chamado Palacete das Lousas, por o último andar do prédio estar revestido de placas de ardósia, estava a Escola Comercial Raúl Dória, inaugurada em 9 de Outubro de 1907, não obstante a sua fundação datar de 30 de Novembro de 1902. Começou esta escola por estar instalada 2 anos na Rua do Bonjardim, passou durante 3 anos pela Rua Fernandes Tomás e acabou por ir para Gonçalo Cristóvão.
Também na mesma rua está a Creche de S. Vicente de Paulo - depois de várias instalações, encontrava-se em edifício próprio na Rua Gonçalo Cristóvão num terreno cedido pela Câmara. O projecto é da autoria do arquitecto António de Fontes Soares e começado em 1884. Fundada em 1852. Camilo fez parte da primeira direcção como visitador. Em regime gratuito e provisório instalou-se a Creche no prédio da Praça da Trindade esquina da Rua do Laranjal, que pertencera ao capitalista Ferreirinha, e onde havia funcionado a Assembleia Portuense, passando depois pelas ruas do Pinheiro, da Picaria, de Santo Ildefonso, do Almada, até que nos finais de 1886, se assenta definitivamente em Gonçalo Cristóvão, ângulo das Carvalheiras, com um número de 100 crianças.
Ainda havia o edifício da Associação Portuense de Socorros Mútuos das Classes Laboriosas, instituída e instalada no dia 25 de Março de 1856 e confirmada por alvará régio de 10 de Março de 1857. Neste prédio foi fundado o Grupo dos Modestos (Escola de formação de muitos actores de teatro portuenses) em 25 de Setembro de 1902.
Ainda na Rua Gonçalo Cristóvão foi assente em 1904 a primeira linha de carros eléctricos que ligou a Boavista a S. Lázaro e nesta mesma rua existiu no início do séc XX o Quartel de Bombeiros. ”
In ruasdoporto.blogspot


A instalação da creche de S. Vicente de Paulo, fundada por João Vicente Martins, referida no texto anterior, esteve desde 20 de Novembro de 1852 provisoriamente instalada na Praça da Trindade, n.º 17.


Junta de Freguesia de Santo Ildefonso em 1916 no gaveto do Largo Dr. Tito Fontes e Rua de Gonçalo Cristóvão

Sem comentários:

Enviar um comentário