domingo, 8 de outubro de 2017

(Continuação 21)



O Palacete Morais Alão Amorim

Este palacete da 1ª metade do século XVIII, tinha adossado a si, um outro da mesma época onde funcionava a Câmara, e que em 1864 seria também adquirido pela edilidade, para expansão das suas instalações.
Nos baixos deste novo edifício, que pertencia a D. Maria da Natividade Guedes de Por­tugal e Menezes, filha do 1.º Visconde da Costa, que morava em Coimbra, funcionava a drogaria de Custódio José de Passos, pai do malo­grado poeta do romantismo Soares de Passos. 
O Palacete de Morais Alão segundo Manuel José Cunha, “Serviu de apoio ao edifício da Câmara e o brasão deste palacete, sobre a sua porta de entrada, tem correspondência histórica com a casa de Bonjóia, dado que contemplam as mesmas armas de D. Lourenço Amorim Gama Lobo, que pela relação de casamento de seu filho com a família Portugal e Menezes, a sua sobrinha e herdeira foi detentora da venda desta casa, tendo sido demolida aquando da abertura da Avenida dos Aliados, em 1916.”


Palacete Morais Alão

Sem comentários:

Enviar um comentário