quarta-feira, 13 de setembro de 2017

(Continuação 12)


Toda a quinta já desapareceu. Situava-se no local onde está erigida a Casa de Saúde da Boavista, inaugurada em 1934, nos terrenos confluentes com a antiga Rua da Carcereira, actual Rua Pedro Hispano e a Rua do Monte de Ramalde, na freguesia de Ramalde.
Aquando da sua existência a quinta era descrita como: 

"Era a Carcereira ainda não há muito uma daquelas artérias - velho caminho arrebaldino - que, unindo o lugar da Travagem àquele outro do Carvalhido não passava duma quasi vereda. Hoje mais espaçosa, perdeu o atractivo caminho de aldeia e conjuntamente alguns motivos que a emolduravam. Nesse renovar desapareceu uma propriedade interessante para a qual se entrava pelo portal a que se refere esta nótula. Embora simples arquitectura, as suas linhas têm uma certa nobreza no conjunto, conquanto pareça deslocada do arranjo da pedra-de-armas, decerto feita para outra edificação. As pilastras almofadadas e decoradas, um tanto toscamente, rematam com acrotérios entre o quais se destaca a pedra de armas, em granito, no formato francês, que um mau ornato enfeita ao jeito de paquife."
Manuel Cunha, In Brasões e Pedras de Armas do Porto

Sobre o texto anterior, note-se que o topónimo Travagem ainda hoje existe nas imediações, como Rua da Travagem, à face da linha do metropolitano.
A entrada principal da quinta era feita pela Rua da Carcereira a actual Rua de Pedro Hispano.

Portão da Quinta da Carcereira c. 1933– Ed. Guilherme Bomfim Barreiros; Fonte: “gisaweb.cm-porto.pt”



Entrada da quinta


A peça desenhada acima encontra-se inserida na obra de Gouveia Portuense, “Portas e Casas Brasonadas do Porto e seu Termo”.

Portão da quinta actualmente


O portão original foi deslocado e preservado no interior da Casa de Saúde da Boavista.

Sem comentários:

Enviar um comentário