segunda-feira, 3 de setembro de 2018

25.1 O "Miramar" ou "Castelinho" de Leça


O “Castelinho” de Leça, outrora chamado de “Miramar”, esteve inicialmente situado na foz do rio Leça, na margem direita, e servia para dar “senha” aos barcos de pesca que passavam à vista da costa.
Em 1870 um grande benemérito de Leça da Palmeira, João Pinto de Araújo, mandou construir o referido miramar junto da chamada “chaminé”, que então já existia, mesmo ao lado.
Até esse momento o funcionamento dessa 'chaminé' consistia em acender à noite uma fogueira para orientação nocturna.
Com a entrada em funcionamento do “Miramar”, foi possível ter uma melhor observação do mar e usá-lo como torre semafórica durante o dia, utilizando bandeiras e, assim, dar senha aos barcos de pesca que passavam junto da costa, em dias de mar bravo”.

“Leça é nos suburbios do Porto a praia preferida pela colonia ingleza, cujos hábitos, cavalos, trens, toilettes imprimem ao sitio a principal animação do seu aspecto exterior.
Na praia há um miramar com este dístico:
         «Real sociedade humanitária.
                João Pinto de Araujo,
A bem da classe pescadora, mandou edificar
                         em 1870»

O miramar é destinado a dar senha aos barcos de pesca que passam à vista da costa em dias de mar bravo.”
Fonte: Ramalho Ortigão, em 1876, In "As Praias de Portugal - Guia do banhista e do viajante"


“Castelinho" de Leça – Gravura (1876) In "As Praias de Portugal - Guia do banhista e do viajante" de Ramalho Ortigão


Na gravura acima, à esquerda, é possível observar a chaminé onde primitivamente se acendiam fogueiras e servia, assim, de sinalização às embarcações.
Sobre o “Castelinho" de Leça é, também, a notícia que se segue sobre a sua inauguração.

 “No dia 21 de Outubro de 1870, pelas 10 horas da manhã, foi inaugurado com toda a solenidade o mira-mares de Leça da Palmeira, a que assistiu a direcção da primeira comissão auxiliadora da Real Sociedade Humanitária local e várias pessoas consideradas, que para esse acto foram entretanto convidadas.
O melhoramento, que ficou a dever-se ao senhor João Pinto de Araújo e por ele custeado na íntegra, é uma obra verdadeiramente filantrópica, que honra aquele senhor e patenteia os seus generosos sentimentos.
O fim do mira-mares é servir de observatório para conhecer a criação dos mares na penedia de Leixões, os quais costumam afrontar todo o litoral, pondo em risco de serem viradas as embarcações, que vem procurar abrigo na foz do rio Leça.
É no espaço que decorre de uns a outros mares, que o prático observa a ocasião de chamar os batéis de pescaria para entrarem a salvamento, tornando-se assim esta obra de grande utilidade para a desventurada classe a quem o seu generoso autor acaba de oferece-la”.
In “Comércio do Porto” – Fonte: José Rodrigues


“Castelinho" de Leça no seu local primitivo com o Forte de Nossa Senhora das Neves ao fundo


"Castelinho" de Leça no seu primitivo local


“Castelinho" de Leça e novo Posto Semafórico (à direita) c. 1900 – Ed. Estrela Vermelha


Perspectiva actual oposta à do postal anterior em que o posto semafórico está parcialmente escondido pelas árvores – Fonte Google maps


"Castelinho" de Leça sobre a esquerda 


Eléctrico em Leça da Palmeira c. 1920 com Castelinho de Leça à esquerda, parcialmente visível, bem como, ao fundo à direita, o Posto Semafórico



Vista de Leça da Palmeira e da foz do rio Leça com Posto Semafórico à esquerda e ponte do comboio à direita



O "Castelinho" de Leça que antes tinha estado na foz do rio Leça está agora no meio da praia a poucas centenas de metros do local primitivo e do paredão do Molhe Norte


O "Castelinho" de Leça que resistiu à construção do Porto de Abrigo, inaugurado em 1892, e coexistiria com o novo Posto Semafórico (conforme se observa em postal acima), não iria resistir à ampliação das instalações portuárias, que conduziriam à transformação daquele porto de abrigo num verdadeiro porto comercial e, seria transladado para a praia balnear, contígua ao paredão Norte, como memória de outros tempos.

Sem comentários:

Enviar um comentário